Questão polêmica: no homicídio qualificado, feminicídio e motivo torpe são as mesmas coisas?

interrogacaoPara a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça não são as mesmas coisas:

“Não caracteriza bis in idem (do latim, “repetição sobre o mesmo”) o reconhecimento das qualificadoras de motivo torpe e de feminicídio no crime de homicídio praticado contra mulher em situação de violência doméstica e familiar”.

Segue o resumo da decisão:

Observe-se, inicialmente, que, conforme determina o art. 121, § 2º-A, I, do CP, a qualificadora do feminicídio deve ser reconhecida nos casos em que o delito é cometido em face de mulher em violência doméstica e familiar. Assim, “considerando as circunstâncias subjetivas e objetivas, temos a possibilidade de coexistência entre as qualificadoras do motivo torpe e do feminicídio. Isso porque a natureza do motivo torpe é subjetiva, porquanto de caráter pessoal, enquanto o feminicídio possui natureza objetiva, pois incide nos crimes praticados contra a mulher por razão do seu gênero feminino e/ou sempre que o crime estiver atrelado à violência doméstica e familiar propriamente dita, assim o animus do agente não é objeto de análise” (Ministro Felix Fischer, REsp 1.707.113-MG, publicado em 07/12/2017).

Para acesso completo da decisão clique aqui.

Contudo, não compartilhamos do mesmo entendimento do Digno Ministro do STJ. Explicamos:

Primeiramente devermos observar que foi descrito que a natureza do motivo torpe é subjetiva, pois tem caráter pessoal, enquanto o feminicídio possui natureza objetiva.

Vejamos o que dispõe §2º do artigo 121 do Código Penal:

Homicídio qualificado

2° Se o homicídio é cometido:

I – mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe;

II – por motivo fútil;

III – com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo

IV – à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do

V – para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro

Pena – reclusão, de doze a trinta anos.

Feminicídio 

VI – contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:

[…]

Pena – reclusão, de doze a trinta anos.

§2º-A Considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve:

I – violência doméstica e familiar;

II – menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Motivo torpe é aquilo que traz vergonha, que é desonesto, que traz repúdio, que deprava e insulta os bons costume de uma sociedade de bem-estar.

O §2º do artigo 121 aduz “se o homicídio é cometido:”  elencando o motivo torpe no inciso I e o feminicídio no inciso VI (que para nós é a mesma coisa). Tal parágrafo elenca motivos e todo motivo envolve uma subjetividade, ou seja, é algo pessoal.

Para ser feminicídio, deve sim ser verificada a subjetividade do agressor, afinal de contas a violência doméstica existe porque o agressor possuir um perfil machista, ignorante ou brutal entre outros e esses perfis são subjetivos, é sua crença, fazendo acreditar que mulher é inferior, submissa, uma serviçal entre outros adjetivos ruins, menosprezando-a e descriminalizando-a por esse motivo, qual seja torpeza.

Damos-lhe dois exemplos:

  1. Uma filha de pais ricos resolve matá-los para ficar com a herança.
  2. Uma mulher mãe de três filhos, todos os dias é humilhada por um homem que ingere bebida alcoólica diariamente, até que um dia ela não aguenta mais a situação e resolve se defender, e acaba, por fim, sendo morta.

Ambos os casos são motivos que trazem vergonha, desonra, repúdio, e que deprava e insulta os bons costume de uma sociedade de bem-estar. Ou seja, são torpes.

Mas porque há o dito feminicídio?

A resposta mais clara é que o político para ganhar a atenção do povo (votos) cria crimes para penalizar esses tipos de condutas que a sociedade despreza muito, trazendo uma “solução”. Acontece que a solução para esses casos já existia antes de haver o feminicídio. Se um homem matasse uma mulher pela simples condição de ser mulher demonstrando ser vítima de violência doméstica ele era condenado por homicídio qualificado pelo motivo torpe.

Apenas mudou o nome, mas o motivo é o mesmo. A subjetividade é mesma. Se o inciso VI fosse mesmo caráter objetivo tal como foi descrito na decisão, estaria escrito da seguinte forma:

2° Se o homicídio é cometido:

[…]

VI – contra mulher.

Apenas isso, “contra mulher”, ou seja, todo aquele que matasse uma mulher responderia pelo delito de feminicídio, mas não, a Lei Penal dispõe “contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:” e essas razões (motivos, subjetividade) devem ser analisadas caso a caso, pois não são todos os homicídios contra a mulher que podem ser considerados feminicídio. Uma mulher pode ser vítima, porque o marido descobre que ela estava traindo ele. Ele não responderá, portanto, pelo crime de feminicídio (em tese e é o que se espera), mas sim pelo crime de homicídio. Tornar o crime objetivo é generalizá-lo, e não foi essa a intenção do legislador quando criou esse “novo” tipo penal, mas sim de levar à tona casos específicos de mulheres que vinham sofrendo violência doméstica ou eram menosprezadas ou discriminalizadas.

Assim, na nossa visão, o Promotor de Justiça, quando verificar que uma mulher foi vítima de homicídio em razão de violência doméstica, ao propor a denúncia, por certo, deve optar em qualificar o crime ou em motivo torpe, ou em feminicídio. Nunca os dois, pois ninguém pode responder criminalmente duas vezes pelas mesmas circunstâncias.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.