Desmascarando 5 mitos do crime de colarinho branco

O “Crime de colarinho branco” é uma frase supostamente criada em 1939. É também uma frase que abrange uma ampla gama de atividades criminosas. Para contar como um crime de colarinho branco, uma ofensa deve tipicamente envolver uma atividade financeira ou fraudulenta que não seja violenta. Em muitos casos, mas não em todos, o indivíduo que se envolve em uma ofensa do colarinho branco é alguém no mundo dos negócios ou político.

White-Collar-Crime-in-Dallas-What-You-Need-to-Know-About-Wire-Fraud-Broden-Mickelsen

Além disso, muitos (mas não todos) réus de crimes do colarinho branco são pessoas de meios ou pessoas em posição de poder ou confiança.

O crime de colarinho branco tornou-se um dos temas favoritos dos filmes de Hollywood. Como mostra o sucesso do premiado filme “O Lobo de Wall Street”, o público é fascinado por contos de dramáticos aumentos e quedas do poder. No entanto, relatos fictícios de crimes de colarinho branco levaram a uma série de mitos em torno desta área do direito penal. Aqui estão cinco mitos do crime de colarinho branco, juntamente com uma explicação da realidade por trás deles.

Mito 1: Os ricos e famosos não são denunciados

O poder frequentemente anda de mãos dadas com o poder, o que leva algumas pessoas a acreditar que os muito ricos e poderosos estão além da Lei. A história mostra que isso simplesmente não é verdade. De fato, alguns dos mais infames criminosos de colarinho branco eram pessoas excepcionalmente poderosas e abastadas na época em que cometeram seus crimes.

Nos últimos anos, os promotores processaram acusações contra várias pessoas importantes na sociedade. Na era da mídia social e da internet, a fama não é necessariamente um escudo contra a acusação. De fato, a capacidade das histórias de “se tornarem virais” pode expor atos ilegais a processos judiciais.

Mito 2: Criminosos de colarinho branco não cumprem pena

Outro mito persistente sobre o crime do colarinho branco pressupõe que as pessoas condenadas por crimes financeiros raramente, ou nunca, cumprem longas penas de prisão. Uma olhada em alguns dos mais notórios casos de crime de colarinho branco revela que essa afirmação é falsa. Vários criminosos de colarinho branco de alto perfil foram condenados à prisão que supera a 15 anos de prisão inicialmente em regime fechado. Para pessoas sentenciadas após a meia-idade, isso é essencialmente uma sentença de prisão perpétua.

Mito 3: Pessoas “comuns” não cometem crimes de colarinho branco

Como os crimes de colarinho branco envolvem dinheiro ou questões financeiras, como investimentos, muitas pessoas assumem que uma pessoa precisa ser rica para realizar esse tipo de crime. A verdade é que muitos criminosos de colarinho branco não são pessoas com grandes salários ou possuam mansões. Na verdade, dificuldades financeiras são uma das principais razões pelas quais as pessoas se envolvem em crimes de colarinho branco em primeiro lugar.

Tem havido um número de casos em que contabilistas de uma grande empresa auxiliaram seus chefes na lavagem de dinheiro, recebendo uma parcela do valor dado como ilícito. Alguns desses indivíduos cumpriram pena de prisão, enquanto outros foram obrigados a devolver o dinheiro, a prestar liberdade condicional ou a executar algum outro tipo de sentença.

Mito 4: O crime de colarinho branco é raro

Parece que a mídia cobre uma grande história de crime do colarinho branco a cada poucos anos — e então o público não ouve mais nada sobre o crime do colarinho branco depois disso. Isso às vezes leva as pessoas a acreditarem que o crime de colarinho branco é bastante raro. Alguém ouviu falar das operações do mensalão ou lava-jato?

Na realidade, os crimes do colarinho branco acontecem com frequência. A mídia tende a colocar apenas em evidência casos que envolvem uma pessoa famosa (ou infame) ou casos que envolvem um esquema complicado e abrangente. A ideia de tantas pessoas ricas e famosas perderem suas economias de vida cativou o público em todo o mundo. Por esse motivo, o caso recebeu muita atenção.

No entanto, há uma abundância de processos criminais de colarinho branco que nunca fazem os jornais ou notícias de televisão. Casos menores que envolvam réus desconhecidos ou quantias de dinheiro relativamente menores podem ser apenas um mero lapso no ciclo de notícias, se eles se registrarem. Só porque esses casos são relativamente pequenos, no entanto, não significa que eles não sejam uma mudança de vida para as pessoas envolvidas.

Mito 5: Criminosos de colarinho branco são tratados de maneira diferente de criminosos violentos

É comum as pessoas assumirem que os réus de colarinho branco recebem sentenças mais brandas do que os indivíduos que cometem crimes violentos. Embora seja verdade que crimes violentos, como os cometidos com armas ou aqueles que causam ferimentos corporais ou morte, estejam sujeitos a penalidades mais severas, os crimes do colarinho branco também podem resultar em longas penas de prisão e multas caras.

Os tribunais também consideram uma série de fatores durante o processo de condenação, incluindo quantas pessoas foram prejudicadas pelo delito, bem como quanto dinheiro estava envolvido no crime.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.